Auto-regulação emocional e vinculação em adultos toxicodependentes

Autores

  • Inês Martins
  • António J. Santos

Resumo

De acordo com a hipótese da auto-medicação (Khantzian, 1997, 2003), o abuso de substâncias traduz uma forma compensatória de o sujeito modular estados emocionais. Diversos estudos apontam para a relação entre um tipo de vinculação insegura e a toxicodependência. Contudo, a sua associação com categorias específicas evidencia uma grande variabilidade consoante as medidas utilizadas. O presente estudo correlacional procurou analisar a regulação emocional, a diferenciação emocional e a vinculação, numa amostra de 31 toxicodependentes em tratamento. Os resultados indicam que os valores das medidas emocionais estão dentro dos obtidos para a população normativa e a ausência de um script de base segura. Verificou-se uma ausência de correlação significativa entre todas as medidas emocionais e uma correlação positiva entre a reavaliação cognitiva e a vinculação. Os dados sugerem que a teoria da vinculação providencia um enquadramento adequado ao desenvolvimento de programas de tratamento e prevenção no abuso de substâncias. É proposto um modelo integrativo que conceptualize a toxicodependência como um fenómeno multi-factorial.

Downloads

Publicado

2014-10-28

Edição

Seção

Artigos