Nada será nunca mais como antes: o adolescente doente crônico - o exemplo do diabete insulinodependente

Autores

  • Dana Castro

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar a interação que se estabelece entre “o trabalho da adolescência” e o da doença crônica, e de interrogá-la no seu impacto subjetivo e social a partir o exemplo do Diabete Insulino-Dependente (DID). A adolescência é um período de grande vulnerabilidade no qual o jovem é invadido pela ansiedade, animado pela rebelião e devorado pela indecisão devido à dificuldade a integrar um mundo adulto. Neste contexto, o DID, doença crônica grave, com suas exigências rigorosas e seus riscos em longo prazo, pesa como uma carga psicológica suplementar no universo já carregado do jovem. A doença provoca ciclicamente, no adolescente, emoções de cólera e de injustiça, um sentimento poderoso de diferença e distância, e organiza o funcionamento psíquico em torno de mecanismos de defesa típicos
: recusa e racionalização. Estes movimentos se exprimem através de certas condutas de saúde e mais particularmente através da adesão ou da não-adesão periódica ao tratamento medicamentoso prescrito.
O apoio psicológico oferecido aos jovens doentes se estrutura, por um lado, a partir de suas necessidades específicas e atuais; por outro lado, dos dados contemporâneos da pesquisa em psicologia.

Downloads

Publicado

2014-10-28

Edição

Seção

Artigos